Idioma é música

Disponível na Livraria Cultura, Amazon e Book Depository (frete gratís). A versão ebook: Amazon Kindle e Smashwords.

 

 Idioma é música

 

 

 

 

Eu sou a Susanna Zaraysky, aprendi português ouvindo a rádio portuguesa e canções brasileiras. Sei que é possível aprender uma nova língua sem viver no país onde se fala a língua. Eu nunca morei em um país que fala a língua portuguesa, mas eu falo o português. Falo 8 línguas (francês, espanhol, italiano, servo croata, português, ladino e inglês).

O livro Idioma é música tem mais de 70 dicas para melhor aprender línguas. As ferramentas mais indicadas para o objetivo são assistir a filmes e à televisão, recursos de baixo custo na internet, escutar rádio e música.

Entrevista no programa Praça da Alegria, 12 de maio, 2014

Entrevista no programa “Caminhos Alternativos” de CBN. 1 de marzo, 2014

 

Artigos sobre Idioma é música:

Idioma é música

Livro mostra como aprender um idioma estrangeiro usando músicas

Livro ensina como aprender idiomas através da música e mídia

 

 

 

Nesse vídeo, vou utilizar uns pedaços de uma canção americana, For the Longest Time, para mostrar como uma canção pode te ajudar com a gramática e pronuncia inglesa.

 

Perguntas frequentes:

1. Por que decidiu aprender tantas línguas? Qual foi a primeira língua que você aprendeu?

A verdade é que não foi uma decisão. A vida me forçou a aprender inglês quando cheguei aos Estados Unidos e, depois, os meus pais sempre falavam em russo em casa. O russo é a minha primeira língua. Eu nasci na ex-União Soviética e cheguei aos Estados Unidos quando tinha 3 anos. Aprendi o inglês de uma maneira muito natural porque assistia aulas em uma pré-escola onde todos falavam em inglês. Quando tinha 11 anos, o meus pais me forçaram a estudar francês na escola. Depois quando eu senti que já falava o idioma francês com um bom sotaque, eu quis aprender mais línguas.

2. Onde você conseguia material para estudar?

Na escola, tivemos livros bastante chatos. Eu aprendi o sotaque francês porque eu prestava muito atenção quando os franceses falavam e tentava copiar a melodia da sua língua.

3. Demorou quanto tempo para você aprender francês?

Três anos e meio de estudos, num ritmo bem tranquilo, numa escola na Califórnia, com tarefas muito fáceis; e 2 meses na França. Na minha opinião, não é necessário morar no país onde se fala a língua que você quer aprender. Eu aprendi a maioria do meu português aqui na Califórnia ouvindo a rádio dos imigrantes portugueses das ilhas Açores. É por isso que tenho um sotaque com muita influência portuguesa. Eu nunca morei num país onde se fala português. É por isso que é muito, muito importante, no começo, ouvir a língua falada das pessoas nativas. Ou seja, se em vez de ouvir o português de Açores eu tivesse ouvido o português falado com um sotaque forte dos Estados Unidos, com o “r” fraco e sem vogais nasais, eu falaria agora com um sotaque muito americano.

4. Qual foi a primeira vez que você percebeu que estava falando na língua e qual foi a sensação de saber que você estava conseguindo falar com alguém?

Na França, na escola e na família com a qual eu morei, várias pessoas pensavam no estereótipo dos americanos ignorantes que não falar outras línguas. Então, nas primeiras semanas, eu podia entender que os franceses que estavam comigo achavam que eu não entendia bem e falavam coisas que não queriam que eu entendesse! Na escola francesa, eu falava com outros alunos sem problemas e percebi que eu podia falar.

5. Quais são as outras línguas que você já estudou e que vocês as fala hoje?

Depois do francês, aprendi espanhol e podia me comunicar bem depois de alguns meses. Na universidade, aprendi italiano e foi muito fácil depois de ter aprendido o francês e espanhol. Depois, na universidade, comprei um livro, Com Licença, o português brasileiro para as pessoas de fala espanhola e lia o livro antes de dormir. A verdade é que eu falo português mais nunca terminei o livro porque era de gramática e me ajudava a dormir!

Como falei antes, aprendi a maioria do meu português ouvindo a rádio portuguesa. Obviamente, quando estudava português, já sabia falar 3 línguas latinas. Na Bósnia, eu aprendi falar o servo-croata, mais não falo fluentemente. Tenho um nível intermediário, sobre tudo porque já tem 10 anos que não moro lá e não acho oportunidades de falar a língua. Também estudei o árabe, hebraico e húngaro, mas não sei falar esses idiomas.

6. Quais línguas você achou mais fácil e quais você achou mais difícil?

Pra mim a pronuncia é o mais fácil porque eu ouço as línguas como se fossem canções ou melodias e então tento copiar o que ouço. O mais difícil é não perder a paciência com a gramática. Mais agora que entendo que a música ativa mais partes do cérebro do que a língua falada entendo que se pode aprender gramática com canções. Quando você ouve uma canção, você pode memorizar o padrão das palavras e lembrar a regras gramaticais.

7. Você pretende estudar e aprender mais línguas?

Agora não; primeiro quero dedicar o meu tempo à ajudar outras pessoas à se motivar com música e outros meios de comunicação para aprender línguas.
Compreendi depois de ler o livro, Musicophilia, do neurologista Oliver Sacks, que eu ouvia as línguas como música. Quero ajudar outras pessoas a aprender línguas com um sotaque bom utilizando a música e outros meios pra suplementar as suas aulas de línguas.

8. Você já deu aulas para alguém?

Eu dava aulas no passado, mas agora prefiro promover as ferramentas para que as pessoas as utilizem como suplemento às suas aulas ou para aprender sozinhos.

9. Que dicas você pode oferecer para alguém que está iniciando os seus estudos de inglês hoje? Por onde deveriam começar?

Ouvir, ouvir e ouvir. É indispensável ouvir o inglês falado das pessoas nativas. Então, se você não conhece ninguém de um país de fala inglesa, você pode achar programas de televisão, radio, podcasts, filmes e outras coisas pra ouvir a melodia de inglês. Não é importante se você não entende nada de nada. Os seus ouvidos, tem que se adaptar às frequências do inglês. A melodia do inglês é muito mais monótona que o português brasileiro, então você tem que ouvir, no início do aprendizado. o inglês falado não pra entender, mas para acostumar os ouvidos a melodia da língua.

10. E alguém que já estuda há algum tempo mas que está frustrado por que não está tendo os resultados que queria…ou que até já desistiu de estudar?

Você tem que achar coisas que você gosta na língua, séries de televisão, filmes, música, etc para ficar contente com a língua. Deve ser algo divertido. E quando você se diverte, não vai desistir.

  • Emerson Araujo

    Susanna,
    Li o seu livro “Idioma é música” e achei incrível, parabéns de coração!
    Este livro contém dicas preciosas e animadoras principalmente para quem estava frustrado com o aprendizado como eu. Com certeza era o combustível que eu precisava para continuar com fé nos meus estudos…
    Grande abraço.

  • Angel Costa

    Eu não te conhecia, mas você diz exatamente tudo o que eu costumo dizer nas minhas salas de aula 🙂
    Concordo plenamente com cada palavra do que você diz e, certamente comprarei o livro.